terça-feira, 16 de setembro de 2014

Amizade de Verdade

"Se eu amo você, eu lhe dou tudo o que tenho. Dou-lhe o meu tempo, a minha dedicação, a minha bunda, o meu dinheiro, a minha família, o meu cachorro, o dinheiro do meu cachorro, o tempo do meu cachorro - tudo." - Elizabeth Gilbert
Tinha padrões de exigência bem altos no que se referia a amizade. Achava que amigo de verdade tinha que matar ou morrer por você, a qualquer hora do dia ou da noite. Queria fazer isso por todos os meus amigos porque todos eram de verdade! E não haveria problema nisso, não fosse um fator essencial: reciprocidade (ou falta dela). Sofri demais por achar que me dedicava de corpo e alma aos meus amigos e eles cagavam na minha cabeça solenemente em determinadas situações.


Sou uma pessoa exagerada. Quando eu amo alguém sou exatamente como essa descrição da Liz ai em cima. Pelo menos com relação às amizades, entendi que cada um tem sua vida e seus problemas, prioridades que nem sempre incluirão você, então temos que tentar agir de acordo.

O que torna um amigo de verdade não é matar ou morrer por você, é meramente estar ali nos momentos mais difíceis e te escutar, dar aquele tapinha nas costas (mesmo que virtual, respondendo 5 horas depois pelo Whatsapp) e dizer basicamente: "Não posso fazer nada, mas tô aqui batendo nas suas costas mesmo assim, ok?"


E tem amigo que não é pra ser de verdade mesmo. Tem amigo só de ir pro bar, tem amigo de viajar, tem amigo até de sexo (tem gente que tem, ué!), de falar mal de chefe ou fazer trabalho da faculdade. Tem amigo que vai, tem amigo que fica ou que some. Tem amigo que vira inimigo e inimigo que vira amigo, alguns até de verdade. O lance é que a amizade não precisa ser tão de verdade pra ser benéfica e a gente pára de sofrer quando aprende isso.


Separei meu amigos e guardei num cofre, cada um no seu potinho onde deposito doses proporcionais de confiança, amor e dedicação. Cada potinho é de um tamanho, uns pequenos que eu quase não vejo, outros mal cabem na prateleira. Cada um de seu material, uns são de cristal, outros são de verdade, de diamante. Só depois de organizá-los assim, eu que por tanto tempo acreditei estar na pior, descobri que sou é RYCA (de amigos apenas - por enquanto - se Deus quiser).


P.S.: Esse texto estava guardado em rascunhos há quase um ano e em nada me surpreende o fato dele ser fiel à minha realidade até hoje. Beijos prozamigo tudo!

Comentários
1 Comentários

Um comentário: